Início do cabeçalho do portal da UFERSA

Projeto Caatinga

Germinação

Utilizando como substrato areia esterilizada em bandejas de polietileno e em condições ambiente, Ferreira e Cunha (2000) descreveram que sementes de A. pyrifolium emitiram radícula três dias após a semeadura. A germinação é epígea fanerocotiledonar e a radícula possui coloração branca, com superfície lisa e pelos simples no ápice. Os cotilédones apresentam o mesmo formato da semente com coloração amarelo-creme, possuem textura membranácea e a abertura ocorreu seis dias após a semeadura.

Na fase plântula, apresenta raiz pivotante de coloração amarelo-creme, com superfície lisa e com ramificações secundárias. Cotilédones opostos, verde-claro, foliáceos de textura membranácea. Na fase de germinação, há redução em condições de escassez hídrica (AFFONSO et al., 2015).

Armazenamento

Estudos realizados por Santos et al. (2013), constataram que sementes de pereiro, recém coletadas, apresentaram excelentes taxas de germinação quando comparadas a sementes armazenadas por certo período. Para análise da informação, as sementes foram dispostas em sacos de pano e acondicionadas em câmara fria a uma temperatura de 10°C. A porcentagem de germinação inicial foi alta (82%) e, portanto, obteve o melhor tempo médio de germinação (TMG), maior velocidade média de germinação (VMG) e maior índice de velocidade de germinação (IVG) e, quando armazenadas por 18 meses, o potencial germinativo reduziu para 55%.

 

Sanidade de semente

Pinheiro et al. (2014), avaliando a microflora fúngica de sementes de pereiro sob diferentes temperaturas, identificou os seguintes gêneros de fungos associado as sementes: Rhizopus sp., Aspergillus sp., Penicillium sp., Cladosporium sp., Phomopsis sp. e Sclerotium sp.  Os mesmos já foram observados em pesquisas com espécies do mesmo gênero, como Aspidosperma ramiflorum Müll. Arg. (CARNEIRO, 1990) e Aspidosperma parvifolium A. DC. (NETTO; FAIAD, 1995). Além de reduzir o poder germinativo da semente, tais fungos podem ocasionar danos em plântulas, manchas foliares e podridões.

 

Referências

AFFONSO, I. B.; MATIAS, J. R.; GOMES, S. E. V.; COSTA, D. C. C.; OLIVEIRA, G. M.; BISPO, J. D. S.; DANTAS, B. F. Germinação de sementes de pereiro submetidas à restrição hídrica. In Embrapa Semiárido-Artigo em anais de congresso (ALICE). In: SIMPÓSIO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E DESERTIFICAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO, 4., 2015, Petrolina. Experiências e oportunidades para o desenvolvimento. Petrolina: Embrapa Semiárido, 2015.

CARNEIRO, J.S. Qualidade sanitária de sementes de espécies florestais em Paraopeba, MG. Fitopatologia Brasileira, Brasília, DF, v. 15, n. 1, p. 75-77, 1990.

FERREIRA, R.A.; CUNHA, M. C. L. Aspectos morfológicos de sementes, plântulas e desenvolvimento da muda de Craibeira (Tabebuia caraíba (Mart.) Bur.) – Bignoniaceae e Pereiro (Aspidosperma pyrifolium Mart.) – Apocynaceae. Revista Brasileira de Sementes, vol. 22, n° 1, p. 134-143, 2000.

NETTO, D. A. M.; FAIAD, M. G. R. Viabilidade e sanidade de sementes de espécies florestais. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, DF, v. 17, n. 1, p. 75-80, 1995.

PINHEIRO, G., ANGELOTTI, F., BARBOSA, L., SANTOS, R., & DANTAS, B. (2014). Microflora fúngica de sementes de Pereiro sob diferentes temperaturas. In Embrapa Semiárido-Artigo em anais de congresso (ALICE). In: WORKSHOP DE SEMENTES E MUDAS DA CAATINGA, 4, 2012, Petrolina. Anais… Petrolina: Embrapa Semiárido, 2014.

SANTOS, R. S.; SILVA, J. E. dos S. B. da; BARBOSA, L. G.; MATIAS, J. R.; RIBEIRO, R.C.; DANTAS, B. F. Armazenamento de diferentes lotes de sementes de pereiro (Aspidosperma pyrifolium Mart.) e catingueira-verdadeira (Poincianella pyramidalis Tul.). In: JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA EMBRAPA SEMIÁRIDO, 8., 2012, Petrolina. Anais… Petrolina: Embrapa Semiárido, 2013.

13 de agosto de 2020. Visualizações: 97. Última modificação: 13/08/2020 11:34:13